quarta-feira, 13 de maio de 2009

Cada uma que a gente tem que passar

Fui ao dentista, e sofri, sempre sofro, desde menina. Atualmente já controlo meu medo ( não sei se o termo é exatamente este, controlar), carrego-o guardado dentro de mim. Fecho os olhos e abro a boca. Fecho os olhos pro dentista não ver meu medo, tenho pudores e detesto piedade, me enfraquece, fico com vontade de chorar, de espernear, cerrar os dentes e bater o ´: Não abro, não abro e pronto. Bobear mordo o dedo dele como fiz uma vez, com um que queria abrir minha boca na marra ( eu era criança ,claro!) mas a vontade persiste e eu resisto. Abro a boca o mais que posso inclino a cabeça "amorosamente" para o lado dele, fecho os olhos e.....o pensamento dispara, tento pensar em coisas alegres, gostosas, sexo até e vou tentando sair de lá, deixar o corpo e me mandar pra algum lugar bom. Uso todos os recursos que tenho "pense que é uma árvore, é nela que estão mexendo". Droga esta doendo, dou um gemido pra ele perceber e ai a coisa piora.


- Sinto, mas o canal esta inflamado, não tem jeito, você vai ter que aguentar até eu abra mais e possa anestesiar direto no nervo.


Cacete! quanto palavrão surgiu na minha cabeça. Inflamado?!! Aguentar?!! Entretanto doi e como doí. A cabeça quer retirar-se rapidamente, não tenho nenhum pensamento que me console e pulo a cada dor aguda.


-Angela, não tire a cabeça, você precisa aguentar, não tem outra maneira.


Começo a pensar numa conversa que tive outro dia em que a pessoa falava que da dor a gente não escapa, já do sofrimento... Ainda não entendi direito a diferença, também não pensei muito sobre isso, mas me lembrei da frase, lá na cadeira do dentista e comecei a me dizer;-"È só uma dor, uma hora ela acaba, esta é uma dor que sei que acaba, acaba junto com o nervo e ai não doi mais. Angela é só uma dor e o que doi é seu dente, não é você, é um pedaço seu". Não é que a dor foi diminuindo, diminuindo e acabou. Passou,( se todas as dores fossem assim!) ai fiquei entregue àquelas agulhas e aquele vai e vem no meu canal, quando levanto da cadeira comento que esta um pouco dolorido e que tem um canal que doi mais. O dentista me pergunta meio surpreso:


-Você consegue identificar qual é?


Respondo educadamente que sim , que tem um que tem uma dobrinha que a agulha enrosca, é este que doi mais, e penso "Você acha que não sei onde me enfiam as coisas?


Realmente este não é um lugar que eu goste de estar.

6 comentários:

Babel disse...

Nossa doeu aqui só de ler...aff. Olhe agora tem um sprayzinho que vc fica blz enquanto o maluco te trucida. Vou saber o nome e te conto.
bjs

angela disse...

vou adorar saber o nome do sprayzinho. obrigada pela solidariedade.

ANA CLAUDIA MARINHO disse...

Angela,melhoras.

Vi sua visita lá no meu blog e adorei seu comentário.

Um abraço.
qualquer dia passo de novo aqui!

Angela Guedes disse...

Oi Ângela!!!
É exatamente o que também faço quando vou ao dentista - "vou tentando sair de lá, deixar o corpo e me mandar pra algum lugar bom. Uso todos os recursos que tenho"
Adorei sua visita no meu blog, já sou sua seguidora, vou estar sempre aqui, se você permitir.
Beijos
Ângela

angela disse...

Ana
Obrigada pela visita.
bjos

angela disse...

Angela
Minha xara, será um prazer receber você aqui, e ler seus comentarios.
bjos
Angela