segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Uma Cicatriz na Alma (parte III)



Terminado o namoro, Vera tentou seguir com sua vida, mas não dava para levar a vida do mesmo jeito, uma inquietação surgira dentro dela e não havia o que a aplacasse, melhor dizendo, os truques que ela utilizara antes não satisfaziam mais. Não conseguia mais ter tanto prazer se entupindo de comida ou ficando longos períodos sem ela. Uma curiosidade crescente tomava conta dela e começou a ler tudo o que caia nas mãos.
Descobriu que gostava tanto de ler que podia passar horas fazendo isso, Muitas vezes varava a noite lendo e sua família demonstrava preocupação. A mãe falava, o que as mães falam quando estão preocupadas com a falta de sociabilidade de seus filhos, que ela precisava sair mais, ter amigos, etc, mas Vera continuava lendo.
Resolveu que voltaria a estudar, tinha concluído o ensino médio por pressão familiar e o fizera mediocramenteA inquietação acalmada com a leitura retornou e a todo momento ficava se perguntando que curso faria. A pergunta ficava girando em sua cabeça como um carrossel de parque de diversões, de tempos em tempos lá estava ela passando de novo, resolveu pensar seriamente sobre o assunto. Foi a um cursinho, viu o preço, conversou com o orientador que lhe arrumou uma descrição de varias profissões e lhe fez varias recomendações, que ela seguiu em parte.
Acabou se decidindo por fisioterápia, havia acompanhado um pouco do trabalho deles no tempo que ficou no hospital. A família estranhou mas resolveram não interferir e juntaram esforços para ajuda-la. Sabiam que ela tinha sofrido muito para alguem tão jovem. Demorou dois anos para passar no vestibular, queria escola publica o que não era facíl.
Neste período fez alguns amigos novos, para estudar junto, não dava muito tempo para sair, o que ela achava bom, assim não dava para sentir-se sozinha e eles ajudavam nisso. Estavam sempre brincando, fazendo palhaçada, etc para descontrair, aliviar a tensão do vestibular.
As aulas da Faculdade começaram e ela não se lembrava de já ter estado tão feliz quanto sentia-se sentada naquelas carteiras velhas. Três amigos do cursinho tinham sido aprovados também o que facilitou seu entrosamento com a turma.Adorou estudar anatomia, fisiologia, etc e estudou muito, tirou boas notas, saia com os amigos no final de semana, iam ao cinema, teatro, show de musica, sem contar as festas e aquela cerveja toda. Eles se divertiam bastante. No final do ano um grupo combinou de passar alguns dias em Ubatuba, na casa de praia de um deles.. Ela ficou com medo, não sabia o que fazer com aquela cicatriz, tinha receio e vergonha de mostra-la, tentou escapar,mas os amigo insistiram muito. Sem saída pediu socorro para a mãe. Essa achou bobagem a preocupação dela, mas acabou ajudando, levou-a em algumas lojas de primeira, dessas caras, e lá acharam maios muito diferentes, ousados nas cavas, mas maios, alguns com aberturas laterais, decotes generosos, enfim não pareciam maio de avô, eram modernos e bonitos, Vera ficou feliz e comprou dois para usar.
A viagem foi boa, a praia era linda, a areia muito branca e o mar calmo, de um verde brilhante muito bonito. A noite quando iam nadar ficaram fosforescentes, brilharam a luz do luar, eram as noctilucas que produziam aquele efeito e quando andavam na beirada do mar o rastro era prateado. era espetacular, nadando ficavam todinhos prateados, era muito lindo e eles iam todas as noites. A imensidão do mar a noite, dava medo , uma apreensão frente aquela enormidade negra e as noctilucas pintando todo movimento de prata deixava aquele momento no minimo magico.Ela se divertiu bastante e os maios fizeram o maior sucesso. Ninguém estranhou muito, pois como ela era morena não queria expor-se ao sol , mas as amigas a acharam muito recatada, não se trocava na frente delas e isso não combinava com seu jeito. Vera ficava sem graça e dizia que tinha vergonha, as amigas aceitavam, mas estranhavam, esse excesso de pudor.Vera retornou feliz, encontrara um jeito de estar com os amigos sem se expor, tinha muito medo da reação dos outros. Paulo tinha deixado uma cicatriz em sua alma.
(imagem retirada do google sem autor encontrado)

44 comentários:

Nilson Barcelli disse...

As piores cicatrizes são as que quase ninguém vê...
Gostei do texto, muito bem escrito.
Beijo.

Tatiana disse...

As cicatrizes na alma... nos deixa marcas difíceis de serem removidas.
Mas o tempo tudo cura e renova!

Tenha uma ótima semana!

Beijinhos

angela disse...

Nilson
Obrigada pela visita e pelas palavras delicadas.
abraços

angela disse...

Oi Tatiana
São marcas dificeis essas da alma.
abraços

Princesa disse...

Obrigado pela visita

O tempo é muito lento para os que esperam

Muito rápido para os que tem medo

Muito longo para os que lamentam

Muitos curtos para os que festejam

Mas, para os que amam,

o tempo é eterno.
Beijinhos

tertulías disse...

uma cicatriz em sua alma... eu sempre falo de uma cicatriz no coracao, ou de uma cicatriz psicológica... achei muito mais poética esta tua forma... em sua alma..
lindo escrito! li do início ao fim parar! Que talento, hein?

angela disse...

Princesa
Bonitas palavras.
beijos

angela disse...

Ricardo
Você é muito gentil.
Obrigada pela visita e pela leitura.
abraços

AFRICA EM POESIA disse...

angela

O mar é tudo ...Amor e dor...

tudo leva e tudo devolve

Uma feliz semana minha amiga

um beijo

Mah disse...

Muito legal aki, amei!
Vim te agradecer o comentário no meu post do Coletivo e dizer q estou seguindo... Se quiser me seguir, esteja à vontade.
Bjsss

angela disse...

Lili
beijos

angela disse...

Mah
Obrigada pela companhia.
abraços

Princesa disse...

Obrigado pela visita e pelo carinho

"O carinho edifica alicerces da casa,

a fim de que, mais tarde,

as provas necessárias da vida

possam chegar."

Um beijo

Angela Guedes disse...

Oi Ângela!!!

Nossa. Parabéns, você escreve muito bem, foi gostoso ler
Beijinhos
Ângela

Clotilde S. disse...

Angela,

Não há nada como o estudo, o trabalho, novos projectos, para curarmos as nossas cicatrizes.

Gostei particularmente deste texto, parabéns.

Um abraço de muita LUZ.

Clo

Conceição Duarte disse...

Menina chegeui aqui atrasada, preciso l;er tudo!!!! pra poder comentar, ja esta na terceira parte... affffffffffff, me desculpe!!

Enfim, estarei no lançamento, se puder ir, me procure, ficarei de zóio nocê heheheh

bju, CON

angela disse...

Princesa
Carinho é o que não falta em você.
obrigada pela visita.
abraços

angela disse...

OI Angela
Obrigada pela visita e pela leitura.
abraços

angela disse...

Clotilde
Tem toda razão.
Abraços

angela disse...

Oi CON
Sem susto, leia quando puder.
Claro que se for irei procura-la.
abraços

Mah disse...

Texto muito interessante, gostei!
Vim te agradecer pelo comentário e por vc me seguir. Tb te sigo, claro!
Grande beijo!

A Magia da Noite disse...

a alma reserva os momento bom e com eles faz quadros que pendura em suas paredes, para segurar esses quadros usa os maus momentos que como pregos se cravam em si, mas de tudo isto resulta um espaço acolhedor onde gostamos de ficar contemplando o bom da vida, o mau ficou apenas como suporte para bom.

angela disse...

Mah
Obrigada
abraços

angela disse...

Magia
Interessante sua imagem sobre os bons e os maus momentos.
abraços

Eliane Jany Barbanti disse...

Obrigada pelas visitas de sempre e pelo apoio Angela é sempre um prazer saber sua opinião.
Obrigada.
Eliane

Princesa disse...

obrigado pela visita

Cada novo amigo que ganhamos no decorrer da vida aperfeiçoa-nos e enriquece-nos, não tanto pelo que nos dá, mas pelo que nos revela de nós mesmos.
Um beijo

angela disse...

Elaine
Obrigada pela visita. também gosto de saber sua opinião.
abraços

angela disse...

Princesa
Sempre presente.
abraços

cartasecafes disse...

oi angela! obrigada pelo comentário, viu! gostei daqui, quero te linkar lá no cartas&cafes pra lembrar de dar uma lida aqui de vez em quando. mas lá eu linko pelo nome... não sei exatamente pq, acho que é mais pessoal. haha. como eu posso te linkar lá? só "angela"?
beeijos

AFRICA EM POESIA disse...

angela
Tenho uma ternura especial por este meu poema...

beijos

continuo a seguir ...cicatriz na alma

Eliane Jany Barbanti disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
angela disse...

Andressa
Não sei se tenho link, sou meio tonta com isso. Vou procurar saber e aviso você.
Obrigada pela visita.
Abraços
Angela

angela disse...

Lili
Sempre um prazer te-la aqui.
beijo

Claudio Kezen disse...

Olá, Angela. Seu belo texto mostra a sua sensibilidade para a prosa. Eu amo literatura, parabéns! Quanto ao meu trabalho, é realmente apaixonante para mim, e o blog é uma ótima ferramenta para divulgar algumas particularidades que muitas pessoas não conhecem. Obrigado pelas suas visitas sempre simpáticas. Você é como aquela amiga que a gente sempre gosta de encontrar. Espero te ver sempre lá no meu cantinho.

Bjs

angela disse...

Claudio.
Pode ter certeza que irei lá apreciar seu trabalho e aprender um pouco.
Obrigada pela leitura do meu texto.
abraços
Angela

MOMENTOBRASILCOM.COM disse...

Ângela,deu-me a grande impressão q/ esta parte III,é o relato de umarealidade. Abrçs,Roy Lacerda.

angela disse...

Oi Roy
É um relato de uma realidade tanto quanto qualquer outro texto meu.
Será que esta muito morno?
Abraços

Eliane Jany Barbanti disse...

Oi Angela, que bom que v/c está se animando a correr, é um ótimo exercício se não houver nenhum problema ortopédico, vá em frente, as pessoas adoram este exercício e trás vários benefíicos como já apontados na matéria.
Boa sorte.
Beijocas da Eliane

TRIBUNA-BRASIL.COM (O Indignado) disse...

Angela, perguntastes ao Roy Lacerda acima, se o texto está morno. P/mim podes esquentar muito mais. Abraços (O INDIGNADO).

angela disse...

Elaine
Seus posts são muito interessantes.
abraços

angela disse...

O Indignado
Tentarei esquentar, mas não sei se sera no sentido que pensou.
beijo

Eliane Jany Barbanti disse...

Oi Angela, tudo bem?
Estes agachamentos são bons mesmo, eu recomendo como rotina de exercícios sim.
Bjs.
Li

Hod disse...

Angela maravilhoso e doce!!

Bjus!

Hod.

angela disse...

Hod
Obrigada.
beijos