sábado, 23 de janeiro de 2010

Mudança de rumo (final)

"Quando os ventos de mudança sopram, umas pessoas levantam barreiras, outras constroem moinhos de vento". Erico Verissimo.











Márcio começou a cursar a faculdade, trabalhava a noite no cursinho e frequentava o curso universitário pela manhã e as vezes a tarde. Um tempo depois recebeu a proposta de José para ajudar os alunos e esclarecer duvidas de português, matéria que ele era bom. Ele não cabia em si de contentamento, aquilo era mais do que ele havia sonhado na vida.

Correu para casa queria contar para Dolores e pela primeira vez sentiu-a fria com a noticia. Comentou sua impressão e ela falou que isso só significava que estavam cada dia mais longe um do outro. Márcio viu os olhos dela marejados e seu coração apertou. Já ia desmentir quando ela olhou bem nos dele e falou que percebia o que acontecia e que não era burra. Márcio calou-se e abraçou-a e choraram e amaram-se como a muito não acontecia, mas não foi um amor alegre, a noite foi insone e triste.

Acordou angustiado e foi tomar seu café, eles não se olhavam, o silencio era pesado e Márcio não conseguia sair, o horário da Faculdade estourando e ele não conseguia sair do lugar e novamente foi Dolores quem falou "vá embora homem! a vida é assim mesmo, não fique triste" e Márcio respirou fundo e saiu andando pesado. Como pesavam suas pernas! um tormento cada passo, e uma vontade enorme de voltar e outra de sair correndo em frente, mas só conseguiu se arrastar e foi assim triste e dividido, que passou os dias seguintes.

Num final de semana os filhos vieram vê-lo e contaram que a mãe estava bem, que a tristeza de muito tempo tinha passado e agora ela parecia mais leve, isto o deixou feliz e ele falou do quanto ela estar bem era importante para ele.

Márcio virou professor do cursinho e descobriu o quanto gostava de ensinar, foi fazendo seu curso e ia bem, sabia muita coisa da vida no campo, tinha crescido em um sitio e isto o ajudava muito, sabia como plantar, como cuidar dos bichos de criação, etc. Tinha alguns amigos e as vezes participava das farras, mas era mais velho e algumas coisas não dava para fazer como o famoso "strike" (atravessar a rua correndo pelado), mas participava da guerra de água, mesmo por que não dava para ficar de fora, sempre acabava molhado. O melhor era beber cerveja e jogar conversa fora.

Márcio continuou a ajudar a família e visitava sempre Dolores, tornaram-se bons amigos, mas foram ficando mais distantes, não tinham muito o que conversar.

Terminado o curso Márcio foi fazer pós-graduação, queria continuar professor e acabou sendo em uma Faculdade de outra cidade onde passou a morar. Casou-se de novo com uma dentista e teve um filho com ela. Dolores cuida dos netos e continua morando na mesma casa.

(imagem obtida no Google)

40 comentários:

manuel marques disse...

Professor sofre...

Beijos querida amiga.

Chica disse...

Que bom que acabou bem...Lindo,Angela!beijos,chica

Renato Orlandi disse...

Ah, não terminou como eu queria, mas ficou tudo bem neh rs, tudo deu certo, de alguma forma. Ainda podemos tirar vários aprendizados disso. Bjao!

Victor Gil disse...

Querida amiga Ângela.
Aquilo que começou por ser um par de botas, que nunca se chegou à conclusão se seriam para calçar ou descalçar rsrsrs... Acabou e bem. É sempre bom ter um dentista em casa.
beijos amiga
Victor Gil

marcelo dalla disse...

Olá querida!!!
Essa história é verídica? Me pareceu tão real... tá muito bem escrita!

Venho matar a saudade e fazer um convite: nesta segunda, dia 25, vai rolar a entrevista coletiva que dei pro Cova do Urso.
Tem pergunta sua e sortearei uma de minhas mandalas.

Será um prazer te ver por lá!
bjo

Sandra Botelho disse...

Nossa amiga, como disse marcelo, é real?
Custo a acreditar que não seja.
Bjos meus e um lindo domingo

José Doutel Coroado disse...

Gostei muito. Final bem bolado quase parece real como já alguém comentou.
Parabéns!
abs

Daniel Savio disse...

As vezes, a única opção para se ter a felicidade, é realmente se te o fim...

Fique com Deus, menina Angela.
Um abraço.

angela disse...

Manuel
Sofre mesmo.
beijos

angela disse...

Chica
Acabou um pedaço da história
beijos

angela disse...

Renato
Eu sei como você queria...mas não deu. Vou pensar em um conto assim.
beijos

angela disse...

Victor Gil
Tem coisas que nunca vamos saber, não é?
Quanto a ter dentista em casa...o bom mesmo é não precisar deles...rs
beijos

angela disse...

Marcelo
Estarei lá na Cova.
Obrigada pelo convite e pela gentileza do comentário.
beijos

angela disse...

Sandra
Vou acabar fazendo um concurso..rs
Será que é real?
Beijos

angela disse...

José Doutel
Fico contente que tenha apreciado.
beijos

angela disse...

Daniel Savio
Tem razão.
Bom domingo.
Beijos

Hod disse...

Querida Angela para as personagens do conto um final que parece contemporizar interesses onde todos ficam satisfeitos. Vejo que no mundo das idéis tudo é negociável. No real nem tudo. O que muitas vezes causa sofrimento e frustrações. Gostei demais da dinâmica do conto.

Sabe que na quinta feira estive na CCMQ e num espaço dedicado a Érico Verissímo vi a Citação acima.
Agora encontro novamente aqui com você. Sincrônico, não achas???

Bom final de semana com muitas bençãos e forte abraço.

Hod.

António Rosa disse...

Ângela

Amanhã, segunda-feira, dia 25 Janeiro, vai ser publicada no meu blogue 'Cova do Urso', a entrevista colectiva ao Marcelo Dalla, que você colaborou na qualidade de entrevistadora.

O Marcelo Dalla irá sortear entre os entrevistadores um azulejo com uma das suas lindas e conhecidas Mandalas.

Então, até segunda, no 'Cova do Urso'.

Abraço,

António Rosa

angela disse...

Hod
As coisas com o tempo tendem a perder sua dimensão dramática e encontrar um ponto mais central. E nem sempre separações são um desastre..rs
Quanto a frase...mistérios.
beijos

angela disse...

Antonio
Obrigada pelo convite, estarei lá
beijos

Tertúlias... disse...

Eu fiquei tocado com esta estória. Me soou verdadeira. Muito real. Eu também de certa forma fiquei trite com ela. Que coisa... como voce provoca emocoes!!!!

Norma Villares disse...

Angela,
Eu também fiquei tocada. Sempre queremos um final com a mesma pessoa.
Grande beijo minha escritora preferida.

angela disse...

Ricardo
Não fique triste com minha história, a que você relatou é que é triste.
beijos

angela disse...

Norma
Obrigada pelo carinho.
beijos

Uber Expresso disse...

Quando achamos que vamos viver felizes para sempre com o antigo...aparece outro Happy End...pois é, a vida é assim...aprendizados a cada dia, as memórias no coração e a fé de que sempre vem alo melhor!!! Beijos Roberta.

angela disse...

Roberta
Não tem ferias não, só uns intervalos que nunca sabemos quando serão.
beijos

Renato Orlandi disse...

Oi, aaah, seria uma honra tem um texto com essa temática feito por alguem com tanta expeciência e capacidade linguistica como vc. De verdade, me sinto muito feliz em ter alguem como vc me acompanhando!!!

Deixarei um presente para vc no meu blog (será minha próxima postagem), espero que goste, estou curioso, rs!

Bjao!

angela disse...

Renato
Estou pensando no conto.
Obrigada pelo presente e pelos comentários.
beijos

A Magia da Noite disse...

a vida gira em torno de círculos que nem sempre conseguimos ver.

angela disse...

Magia
Quase nunca, na maior parte do tempo vemos pedaços.
beijos

.Lis disse...

Oi Angela
Voltando e com certeza seguindo seus contos e blogagens.Duro agora é acostumar com a realidade,com a vida diária. Férias , praia , mar , muito sol , serra, por do sol, piscina , só no ouro ano rsrs Vamos à luta.
Saudade ,angela, abraços

angela disse...

Lis
Imagino..rs Então a luta!
beijos

AFRICA EM POESIA disse...

Só é pena estar tão longe...
Um beijo



SER FELIZ



É estar em sintonia com Deus.
É saber amar...
Saber viver cada dia.

............

Por isso...
Ser feliz...
Depende de nós!!

LILI LARANJO

angela disse...

Lili
Tem razão.
beijos

Lau Milesi disse...

Os" moinhos" estão a todo vapor, Angela.
Parabéns!!!Gostei muito final do conto.

Um beijo

angela disse...

Lau
Legal que gostou.
beijos

Fátima disse...

Sempre torcemos para um final feliz, mas nem sempre é possível não é !!
Angela seu conto retrata em muito a realidade de casais que embora se amando, com o crescimento de um e a estagnação do outro, a ligação se rompe.
Gostei muito.
Tenha um lindo final de semana.
Beijo.

Karina disse...

Talvez essa mudança de rumo na vida de Márcio tenha ocorrido para mostrar a ele que sua vida amorosa estava por um fio e precisava recomeçar (com outra pessoa). Há caminhos que nos levam a outros que nem imaginávamos.

Beijos!

angela disse...

Fatima
Tem razão, muito casal deixa de crescer junto e ai a coisa complica.
Obrigada pelo comentário.
beijos

angela disse...

Karina
Acho que a insatisfação vai nos pondo em movimento, onde vamos chegar, ninguem sabe.
Obrigada pelos comentários e pela leitura de meus textos.
beijos