terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Mudança de rumo II

"Quando os ventos de mudança sopram, umas pessoas levantam barreiras, outras constroem moinhos de vento". Erico Verissimo.




Márcio entrou em casa quase sem ar, foi chamando por Dolores até que finalmente a encontrou lavando roupa no tanque. Era um trabalho duro, principalmente quando se tratava de tolhas de banhos que ficam pesadas quando molhadas, e enxaguar e torcer exigia força. Dolores tinha gotas de suor em todo rosto e nem teve que fechar a torneira para ouvir o marido.

Ele foi contando sobre o trabalho e a oferta de salário, a edicula que poderiam morar e não ter mais que pagar aluguel, etc. Ela escutava atenta, mas não parecia muito animada, depois que ele acalmou um pouco ela foi ponderando vários "senões": a escola das crianças que ficava perto e mudar agora de escola seria impossível, o quintal grande que permitia que ela quarasse a roupa e a pusesse para secar no varal. Caso se mudassem ela teria que parar de lavar roupa para fora. E se o emprego dele não desse certo? Demoraria até fazer outra clientela, e foi por ai a fora.
Márcio foi murchando com a conversa, Dolores percebeu e ficou pensando como poderia fazer. Foram dormir ensimesmados, mas pela manhã Dolores propôs a ele uma solução intermediaria, ele iria e ela e as crianças o encontrariam no final de semana e nos feriados e ele prometia visita-la algumas vezes na semana.

Márcio gostou da ideia, achou que era mais seguro para sua família fazer as mudanças mais vagarosamente.

Procurou José logo no dia seguinte e combinaram os detalhes do contrato de trabalho. Márcio foi ficando cada dia mais feliz, adorava o cursinho, os alunos a maioria jovens por volta de 17, 18 anos, barulhentos e alegres. Como ele ficava andando pelas dependências da escola vendo como as coisas estavam ia conhecendo os alunos, conversava com eles, as vezes ouvia suas confissões e até os ajudava a estuda, foi ficando mais curioso e interessado e sempre procurava saber mais, Suas perderem os pequenos cortes e o resto de graxa e cola que sempre ficavam por mais que ele as lavasse.

José percebeu o interesse de Márcio e ficou sabendo que ele estudara até o final do fundamental e sugeriu que ele tentasse fazer os exames do supletivo e terminasse o segundo grau.
Márcio terminou o segundo grau, neste meio de tempo o cursinho aumentou o numero de alunos e novas turmas foram abertas. Agora funcionava das 7 horas da manhã até as 23 horas e um ajudante foi contratado para auxilia-lo. Ele preferiu trabalhar a tarde e a noite e de manhã começou a assistir as aulas para prestar o exame de ingresso a Faculdade de Agronomia, voltaria para o campo, mas de outro jeito.

Os filhos estavam crescidos e a vida familiar continuava na mesma.Dolores nunca se mudou e a distancia entre eles aumentava cada vez mais .Ela não conseguia acompanha-lo, nem queria, aquela vida era a que ela queria. Ele ganhava melhor agora e os filhos começavam a trabalhar, o dinheiro deu para guardar e reformar a casa.

Num domingo Marcio se pegou olhando para Dolores, tinham passado tantas coisas juntos, ela sempre fora companheira, o ajudava a tocar a vida, tinham dois filhos e ele sentia uma enorme ternura, além de gratidão e respeito, mas nenhuma paixão.

36 comentários:

Lídia Borges disse...

É assim que a vida passa por nós.
Acontece quando ficamos atulhados em afazeres "inadiáveis" e nos esquecemos de encarar a vida, olhá-la de frente nos olhos vagarosamente com tempo...

L.B.

Sandra Botelho disse...

A distancia, destroi os amores, esfria as paixões...
Posso dizer isso por experiencia propria.
Bjos meus!

angela disse...

Lidia
Verdade, deixar-se atropelar pelos afazeres diarios é perder parte da vida.
beijo

angela disse...

Sandra
É estranho como a distancia fora acaba indo pra dentro.
beijos

José Doutel Coroado disse...

Procura de vida melhor... perdas interiores... como será que vc resolve esse dilema? aguardo próximas cenas

Tânia Marques disse...

Gostei do seu blog. Espero a sua visita nos meus também:
www.marquesiano.blogspot.com
degraucultural.blogspot.com

Hod disse...

Melhorar a condição de vida, uma das primeiras propostas quando a decisão a dois é tomada. Implica em mudanças e riscos. Abandonar áreas de conforto incomoda. A personagem do conto é motivada evitando sofrimentos. Márcio é motivado pelo prazer de ser e fazer.
Tornar-se-ão inconpatíveis.

Amiga Angela, encantado com sua visita e tão deliciosas fragrâncias que deixastes lém em minha atomosferas.

Forte abraço querida amiga, com muitas bençãos.

Hod.

A Magia da Noite disse...

outros ainda estiram as vela para fazer andar os barcos.

Maria José disse...

Angela. Faço do Hod minhas palavras. Não é fácil sair de nossa área de conforto, já tão conhecida. Causa medo, insegurança. O desconhecido assusta. Gostei da nova foto. Beijos, amiga, e obrigada sempre por sua participação sempre ativa no Arca.

angela disse...

José Doutel
De algum jeito terei que resolver, ou melhor eles terão que decidir para que lado irão.

angela disse...

Tania
Obrigada e já visitei os seus dois excelentes blogues.
abraços

angela disse...

Hod
Boa analise do conto.
Obrigada pelo carinho.
beijos

angela disse...

Magia
E fazem o barco andar...
beijos

angela disse...

Maria José
Obrigada pelos comentários e pela sua atenção.
beijos

Maria Ribeiro disse...

Ângela: este conto é a prova de que devemos estar atentos à vida que se desenrola, por vezes, mesmo debaixo do nosso nariz. entretanto, o tempo voa e quando queremos remediar, muitas vezes já não vamos a tempo...
BEIJOS DE
LUSIBERO

angela disse...

Maria Ribeiro
Verdade, as vezes a gente perde o pé na vida.
Beijos

Renato Orlandi disse...

Aaaah que mulher negativa, saí daqui com uma esposa dessas, ah mas sempre tem neh, a muitas vezes devemos agradecer sua presença! Enfim! Estou torcendo p que eles fiquem juntos (o José e o Márcio). Bjuuu!

angela disse...

Renato
Uma mulher como muitas que faz muito em seu territorio, mas não sai dele de jeito nenhum.
Quanto a sua torcida...rsrsr
Vamos aguardar os acontecimentos, nem eu sei como vai ser.
beijos

AFRICA EM POESIA disse...

venho agradecer o carinho que ontem recebi.
o meu dia de aniversário é um dia muito feliz para mim...
Gosto de o viver intensamente . E mais uma vez...consegui.
um beijo pelo carinho deixado É Bom ter amigos.
Agora vou preparar a festa da minha nova paixão...o meu livro do Sporting.

A vida vale por estes Momentos

angela disse...

Lili
vamos de festa em festa.
beijos

Norma Villares disse...

Eita mudança boa!
E a vida passa por nós... às vezes rápida outrsa devagar.
São passos da vida que devem ser vividos.
Beijos no coração

Lau Milesi disse...

Oi Angela, estou torcendo para que os moinhos de vento sejam construídos. Adorei ver que você aproveitou a frase de Veríssimo (o Érico).

Um beijo

ju rigoni disse...

Texto que é retrato fiel da realidade de muitos.

Bjs, Angela, e inté!

Chica disse...

Estou adorando esse conto e acho que vai ficando cada vez melhor e mostra que as mudanças podem ocorrer e temos que estar atentos a elas...beijos,Vou ver se agora o comentário entra!chica

angela disse...

Norma
A vida passa...
beijos

angela disse...

Lau
Achei que a frase tinha tudo a ver com o conto.
Obrigada pela ajuda.
beijos

angela disse...

JU
São coisas que podem acontecer.
beijos

angela disse...

Chica
Fico contente que esteja gostando.
beijos

Essência e Palavras disse...

Outros rumos sempre é muito bom!

beejo

Graça disse...

Angela,

está convidada a conhecer meu blog educacional

botoesmadreperola.blogspot.com

Há muito sobre bibliotecas, literatura, Projetos...

Entre e fique bastante à vontade!

Um abraço.

angela disse...

Essencia..
Sem duvida é.
beijos

angela disse...

Graça
Farei isso.

Obrigada pela visita
beijo

Marcos Takata disse...

Angela Namaste
A vida passa desta forma, mas o ZEN ensina estar atento com a plena atenção.
Muito belo seus textos.
Abraços

angela disse...

Marcos
Plena atenção é impressindivel para a vida não passar em branco.
beijos

Daniel Savio disse...

É estranho ler pelo primeiro o fim, mas se ele não arriscasse, será que ele não jogaria a culpa em cima da mulher...

Além disto, meio sem vergonha ele, pois mulher o ajudou, sendo que ele fez algo real para ela depois da separação?

Fique com Deus, menina Angela.
Um abraço.

angela disse...

Daniel Savio
Boas considerações.
Beijos