quinta-feira, 25 de março de 2010

A roda gira


Estranhou o frio e a pouca luz, a neblina deixava tudo mais assustador . Tão diferente de sua cidade!

Segurou forte a mão da mãe, estava amedontrada, era a primeira vez que andava por ali. Subiram no ónibus, que chacoalhou um tanto, até que lá pelas tantas a mãe puxou a
cordinha e disse : Veja, quando chegar nessa fabrica puxe o alarme e desça assim que o ónibus parar, na volta faça o mesmo caminho só que vai subir nele do outro lado da rua e ele virá com o letreiro escrito Anhangabaú e você pede para sair logo que passar em frente da nossa casa.

O ónibus parou desceram e a mãe foi explicando as ruas e os sinais que deveria prestar atenção, depois de hoje faria o caminho sozinha.

Chegaram a escola, ela entrou. Não conhecia ninguém, nenhum amigo. O
bedel a levou até a fila de sua classe. Assistiu a aula caladinha, quando tocou a campainha para o recreio, as crianças desembestaram em louca corrida para o pátio, ela sorriu e pensou: igualzinho. Entrou na roda e brincou como qualquer criança.

Na volta para casa, tudo deu certo Chegou , entrou, ninguém em asa ainda, foi para seu quarto e sentou-se na cama e chorou baixinho de medo e de saudades.

Foi desse jeito que descobriu que tinha um passado.



(foto retirada do Google)

22 comentários:

Flávia disse...

Que lindo!!!!

Puxa, a cada linha que eu lia, a expectativa de saber o final aumentava!

Muito lindo seu texto, amei!!

Beijo

Lara Amaral disse...

Texto sensível, que prende. A alma dessa criança é nossa, e percebemos melhor isso quando sentimos uma pontadinha no peito no final.

Lindo conto, Angela.

Beijo.

Sandra Botelho disse...

Já passei tanto por isso ...
Que bom que sempre achamos o caminho de volta neh?
Bjos no coração!

A Magia da Noite disse...

há algo que se revela em nós quando deixamos o ninho e voamos no espaço aberto.

Chica disse...

Nos prendeste com tua linda história...Copmovente! beijos,tudo de bom,chica

Marcos Dhotta disse...

Nossa! Encontrei este espaço através do "Tertulias"/Ricardo e estou encantado com tudo que vi por cá. Impossivel não seguir-te. Abraços e tudo de bom pra ti... Dhotta

angela disse...

Flavia
Obrigada pelo comentário e incentivo.
beijos

angela disse...

Lara
Essa pontadinha no peito diz tudo.
Obrigada
beijos

angela disse...

Sndra
O essencial de qualquer viagem é achar o caminho de volta.
beijos

angela disse...

Magia
Verdade. Só assim se revela certascoisas.
beijos

angela disse...

Chica
Obrigada qmiga
beijos

angela disse...

Dhotta
Obrigada e é um prazer te-lo aqui.
beijos

Anne Lieri disse...

Angela,muito linda sua história!O primeiro dia de aula pode ser mesmo assustador para as crianças!No final,ela descobre a solidão...muito comovente!Bjs,

manuel marques disse...

Texto FANTÁSTICO,amei.

Beijo e bom fim de semana.

Lau Milesi disse...

Angela, assim como no Entremeios, a vida muda de textura.
Sensível e realista. Amei!
Parabéns!!!
Beijosss

lis disse...

Como criamos expectativas quando viajamso sozinhas! dá aquele friozinho na barriga, medo, ansiedade. Daí chegar em casa é como ganhar um abraço, que gostoso!
Gostei mmuito ,boa história .
abraços

EDUARDO POISL disse...

Cada pessoa que passa em nossa vida, passa sozinha, é porque cada pessoa é única e nenhuma substitui a outra! Cada pessoa que passa em nossa vida passa sozinha e não nos deixa só porque deixa um pouco de si e leva um pouquinho de nós. Essa é a mais bela responsabilidade da vida e a prova de que as pessoas não se encontram por acaso.
Charles Chaplin

Desejo um lindo final de semana.
Um abraço com carinho

Tertúlias... disse...

Como sempre voce capta toda nossa atencao em seus textos. Eu sou realemnete um grande fa seu, sabia? (Acho que já sabia! He he... )

Renato Orlandi disse...

Aiii que tristeee, e lindo... logo ela descobre a saudade também... bjoo!

Maria José disse...

Páscoa significa renascimento. Desejo que neste dia, em que nós cristãos, comemoramos o seu renascimento para a vida eterna, possamos renascer também em nossos corações. Beijos e obrigada pela amizade.

IdoMind disse...

O conforto de casa, não é? Do conhecido. De uma porta na qual só entra quem queremos.
E é assim pela vida fora, a correr para casa...

Gostei muito. Tem continuação?
beijos

Daniel Savio disse...

Não lembro do meu primeiro dia de aula, mas isso me permitiu ser o que sou...

Fique com Deus, menina Angela.
Um abraço.