sábado, 26 de março de 2011

Palavras que nunca direi



Sou relva

onde pisa

esparramo flores

selvagens

suave perfumo


Sou água de riacho

quando roço sua pele

canto

borbulho

mole

morna


Tenho o ar do mundo

no peito

quando penso

seu nome

Subo como balão

pleno de sonhos

deito na lua

aninho-me


Ela sendo seus braços

eu onda partícula

luz

“quantum de alegria”


29 comentários:

Leonardo B. disse...

[da palavra que se recolhe na mão, nasce mais e mais, contudo mais uma explicação para o mundo...
que nunca demais]

um imenso abraço,

Leonardo B.

Samaryna disse...

Angela, suas palavras além de dizer traz sentimentos nobres. Deixo o meu afeto.

manuel marques disse...

E uma vez lançada, a palavra voa irrevogável.

Beijinhos meus.

Dalva Maria Ferreira disse...

Leve, incisiva, firme. Subindo como uma planta que brota.

Lau Milesi disse...

"Quantum talento"!!As palavras flutuam e flutuam... Adorei!!
Beijosss

Lara Amaral disse...

"Tenho o ar do mundo
no peito
quando penso
seu nome

Subo como balão"

Que delícia de poema!

Beijo.

Elcio Tuiribepi disse...

Oi amiga...lindo poema...alguém ai em ciam disse que as palavras flutuam...´vero...a imagem contracena em harmonia com o escrito
Quanto ao seu comentário lá no Verseiro...a alma tem mesmo que estar sempre em estado solidário
Um abraço na alma...boa semana
Beijo

AFRICA EM POESIA disse...

Angela
Como tu...
Sou agua do Riacho

Um beijo e o meu deserto


DESERTO

Vou caminhando pelo deserto
Ando e ando e é só areia...
Areia, areia e nada mais...
Estou cansada...
Os meu lábios estão secos...
Muito secos...
E eu no meio do deserto...
Só te queria ter...
Para beijares os meus lábios...
E me tirar a sede...
E espero-te para acalmar...
A minha ânsia....
A minha sede...
E o meu desejo...
Desejo louco de te ter...
De te poder tocar...
E finalmente ser feliz...

LILI LARANJO

chica disse...

Adoro te ler e me parece cada vez mais inspirada!Lindo!beijos,chica

Gilmar Morais disse...

A palavra... mero gesto que tenta explicitar a sua própria concepção. Ela, nascida das entranhas, onde a sinonimia nem sempre consegue decifrar... E é o que nos move!

Meu carinho Angela!

Perola disse...

Oi amada,estava com saudades de ti.
Já terminou as mudanças?
Amei seu poema,singelo e de uma grandiosidade tamanha.
Beijos minha flor e obrigado pelos comentários.

Daniel Costa disse...

Angela

Aprecio o género de poemas que tazes aquí, podem parecer simples, mas têm uma especividade que os torna belos e atraentes.
Beijos

ONG ALERTA disse...

A palavra faz mágica...beijo Lisette.

Sonia Pallone disse...

Poetas com seus versos bordando emoções...

E eu sempre aqui, me alimentando...

Bjs querida, obrigada por tanto carinho lá no Solidão de Alma.

selma disse...

Oi amiga,visitando este kantinho,conheci de blogs amigos...convido para visitar o meu,ofereço Award,está na sala presentes oferecidos...convido também para visitar o Ostra da poesia estou partcipando com o poema MINHA PÉROLA,é a SEXTA poesia,preciso de comentários dos amigos ,se quiseres deixar seu carinho lá ficarei muito grata... Este é o link:http://ostra-da-poesia.blogspot.com/ Muito obrigada!!!

Lis disse...

Oi Angela
Andei vindo te ver mas nao estavas rsrs
voltou devagarinho como deve ser.
São as palavras que nos sustentam por aqui e as suas estão brilhantes esparramando sua simpatia .
parabéns

meu abraço

Lucimar Sant`Ana disse...

Ângela, lindo poema! Eu queria aqui agradecer a vc pelo carinho que me me foi oferecido durante o período negro que passei. Nunca deixou de postar no meu blog
Agora estou aos pouco me refazendo, como postei estou apreciando o silêncio.
Beijos.

Judite disse...

Angela,

Por causa do amor, somos tudo isso e muito mais. Moldamo-nos à maneira como o amor decide.

Lindos versos, parabéns!

Estamos de volta!

Um beijo carinhoso.
Deus seja contigo.

Maria José disse...

Lindo poema, somo sempre. Parabéns. Beijos.

Pepi disse...

Lindo poema,Angela
Um beijinho carinhoso e fique bem
Verena e Bichinhos

Graça Pereira disse...

Querida Amiga

Um poema esguio que parece simples na sua estrutura mas, é tão grandioso, cheio de mensagens e de confissões que, me atrevo a dizer: Um dos teus melhores poemas!!
Beijo amigo
Graça

Djabal disse...

Uma ode a esperança e a alegria. Com imagens etéreas, palavras modernas para sentimentos universais e que andam escondidos atrás dos vários pontos comerciais da cidade. Meus parabéns, beijos.

ju rigoni disse...

Um poema imenso, Angela, tantas são as frestas poéticas por onde se pode passar. Aplausos!

Palavras têm sexto sentido, e escondem-se em palavras não escritas, nunca ditas.

Bjs, amiga. Inté!

A. Reiffer disse...

Sempre haverá palavras que nunca diremos, mas tu sabes dizer muitas com profunda poesia. Abraços!

JGCosta disse...

Algumas palavras - e eu sei que a amiga sabe - nem sempre são necessárias, quando um olhar diz tudo!

Grande abraço amiga e excelente FDS!

Tais Luso disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tais Luso disse...

'Tenho o ar do mundo
no peito
quando penso
seu nome'...

Gostei muito, Angela, de bonita criação todo o poema. Às vezes precisamos buscar um pouco de poesia para suavizar a realidade da vida.

Tais Luso

Anne Lieri disse...

Angela,quantas palavras não ditas mas todas nas entrelinhas deste belo poema de amor!Muito lindos seus poemas,inspirados e criativos!Bjs,

Daniel Savio disse...

É uma boa paisagem para se aprecisar...

E achei meigo a parte de mexer para não ser um post, tem um que bom de alegria dos tempo de infancia =P

Fique com Deus, menina Angela.
Um abraço.