terça-feira, 3 de maio de 2011

Semelhanças


As pequenas gotas brilhavam nas grades do portão. Eram tão transparentes, tão puras como cristais pequenos. A luz do sol chegava ate elas, uma luz de fim de tarde de verão quando o calor e a claridade já não machucavam. Ficavam ali penduradas desafiando a gravidade.

Uma garoa fina e bem espaçada caia e refrescava ainda mais o dia. Sai andando aproveitando aquele tempo ameno e contornei o quarteirão. Acendi um cigarro (maldito vicio que pensei ter me livrado) e enquanto aproveitava meu pequeno intervalo vi uma mulher que me pareceu conhecida. Tinha o cabelo escuro, ondulado, farto e curto, a pele clara mais ou menos a mesma altura, peso e idade de uma amiga de trabalho perdida em algum volteio da vida. Chegando mais perto vi que não era ela e que deveria estar com a aparência diferente depois de tanto tempo.

Sempre acho estranho como vou encontrando “conhecidos” pelas ruas. É como se houvesse alguns padrões que se repetem e que com o tempo a gente esquece as particularidades. Ficam na memoria os traços gerais: o padrão. E é justamente esse esquecimento das particularidades que possibilita que eu imite as pequenas gotas desafiantes e por um segundo seja eu a desafiante das leis da natureza e reveja pessoas que já se foram e mate um pouco a saudades.

24 comentários:

✿ chica disse...

Angela, estás cada vez mais inspirada. Muito lindo e tão doce e bom de te ler...

Adorei o texto,m a imagem e sobretudo, a sensibilidade!

beijos,lindo dia,chica

Lau Milesi disse...

Gotas de sensibilidade à flor da pele. Um texto lindo e intuitivo. PARABÉNS!!!
Beijossss

Samaryna disse...

Um texto que mostra como a sabedoria da escritora faz bem a escrita. Angela, deixo o meu afeto.

Lis disse...

Angela
As semelhanças nos engana vez ou outra.E sempre a sentimos nos aglomerados e de relances.
As particularidades ficam escondidas no todo e juramos que conhecemos fulano e sicrano rsrs
As gotas desafiantes são mais que belas , nos ensina a lição da transparência , a grandiosidade da natureza e o prenúncio de mais garoa em Sampa, um final de Outono glacial rsrs

abraços Angela
crônica bonita.

Tais Luso disse...

Foto e texto se integram lindamente. Mas é assim mesmo, com o tempo tudo se padroniza, esquecemos os detalhes que fazem, ou faziam a diferença.

Um beijo pra você, amiga.
Tais Luso

José Doutel Coroado disse...

Cara Angela,
Gostei!!
abs

Lara Amaral disse...

A crônica nos leva para o universo particular do eu-lírico e, ao mesmo tempo, faz nossa mente ir lá longe buscar os conhecidos há tanto tempo distantes de nós.

Muito bonito!

Beijo.

manuel marques disse...

"A semelhança dos destinos, principalmente quando esses destinos são desditosos, é o vínculo que mais prende duas almas."

Beijo.

valquiria calado disse...

Algumas pessoas vão e deixam a falta.

Olá amiga, vim tbm convida-la a passear no meu hanukká, http://hanukkalado.blogspot.com/

beijos.

Chamo de virtude adorar Deus, ajudar e amar todos os nossos semelhantes e buscar o bem fazer sempre que se possa
Jean Louis Vives

Irene Moreira disse...

Angela

Gostei muito de seu texto e sua história.

Sou a rainha de achar conhecidos que parecem, mas não são e aí navego no espaço e caminho nas recordações e quanta saudade!!!

Obrigado por estar sempre presente .

Beijos no seu coração

ONG ALERTA disse...

Experiëncias da vida, beijo Lisette.

Elcio Tuiribepi disse...

Oi Angela...aho interessante quando ficamos sem ver uma pessoa por muito tempo e depois sem querer nos esbarramos...o tempo é cruel para alguns mais do que o normal e a surpresa é grande...talvez o outro nos veja asim também...
Quato aos padrões é incrivel...tenho também esa sensação...essa multiplicidade de rostos tão diferentes um do outro..é incrivel...
Um abraço na alma...a foto é muito bonitae repare...até as gotas tem suas peculiaridades
Beijo...parabéns pelo texto

Norma Villares disse...

Angela a sua capacidade inspirativa é de grande estesia. Bela! Um vôoooooooooooooo. Sem vontade de aterrissar. Sempre com saudades. Beijos

Pepi disse...

Lindo e meigo o seu texto, Angela
Obrigada pela gentil visitinha
Beijinhos de
Verena e Bichinhos

Beta disse...

Obrigada pelo apoio querida! Boa sorte para nós!!

xunandinha disse...

Minha querida amiga que linda foto, que maravilhosas palavras beijinhos

ju rigoni disse...

Mãos dadas com a saudade a memória sempre nos prega peças. A gente vive encontrando pessoas "conhecidas" por aí. Amei a imagem das gotas a desafiar a gravidade enquanto brilham nas grades. E essa foto compõe lindamente com o texto.

Bjs, querida. Inté!

Vieira Calado disse...

Um simpático apontamento...

à chuva!


Bjjsss

Anne Lieri disse...

Angela,muito legal seu conto!Como isso acontece ás vezes!Ver uma pessoa e pensar ser outra que conhecemos no passado!Inusitado e bonito seu conto!Bjs,

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

Penso que não haverá
nada melhor na vida,
do que ser levado
nas lembranças de alguém...

Que o amor esteja sempre
em ti.

JGCosta disse...

Extraordinariamente filosófico, minha amiga!

Abraços renovados!

Anne Lieri disse...

Angela,passei para reler seu conto e desejar um feliz domingo das mães!Bjs,

Anne Lieri disse...

Angela,passei para reler seu conto e desejar um feliz domingo das mães!Bjs,

Tânia Marques disse...

Querida, andei modificando os endereços dos meus blogs devido à capacidade esgotada de publicação de imagens. Visite o meu Palavras e Imagens Pós-Modernas
http://palavraseimagensposmodernas.blogspot.com
Palavras e Imagens
http://wwwmarquesiano.blogspot.com
Degrau Cultural
http://degraucultural.blogspot.com