sexta-feira, 13 de maio de 2011

Tempos Modernos.

Ela não era muito chegada nessas modernidades eletrônicas como a maioria das pessoas nascidas antes da década de 70. Faltava-lhe um chip ou algo do gênero acrescido do fato de não gostar de mudanças, por ela tudo permaneceria igual e teve o azar de nascer em uma época em que tudo muda muito rápido. Qualquer criança era melhor que ela. Tem medo desses objetos que não entende como funcionavam. Aprendeu a usar o computador para coisas básicas. Morria de medo de ficar como aqueles idosos que não tinham coragem de descer pela escada rolante da Prestes Maia (uma das poucas dos anos 60) e vacilavam na beirada dela com aquele mundaréu de gente atrás esperando para descer. Não queria ficar assim em frente ao caixa eletrônico.

Claro que pagou todos os “micos” que quem é dessa geração sabe quais são e quem não é também sabe por que teve que socorrer uma tia, a mãe, o pai etc.

E-mail?! Grupos sociais?! Ela demorou uns dez anos para começar a usar e isso só aconteceu por conta do encontro da turma de faculdade. Fax só o da papelaria perto de sua casa e porque o rapaz passava para ela. A tal da modernidade foi entrando em sua vida numa velocidade que não conseguia assimilar.

O telefone celular foi outra história. Resistiu o mais que pode, achava desnecessário e não gostava daquele aparelho. No aniversário deste ano (isso mesmo deste ano) ganhou um celular dos irmãos. Argumentaram que a mãe estava idosa e que eles já não eram tão jovens e que um celular poderia ser de grande valia principalmente para ela que morava sozinha.

Aceitou meio ressabiada e devagar foi aprendendo a usá-lo, não sem antes fazer algumas confusões típicas. Não conseguia que o telefone só tocasse, ele vibrava e tocava e ela tinha medo de mexer nisso, enviava mensagem para a pessoa errada e uma vez chegou a fotografar seu pé e enviar para seu irmão sem perceber e ele a reconheceu pelo sapato. Maior vexame. Assunto do almoço de domingo... Seus sapatinhos enviados por engano.Um dia tentou subir a escada rolante de um Shopping pelo lado errado distraída que estava tentando atender uma chamada. Vexame total!

O pior é que o celular a deixava tensa achava que não podia separar-se dele e o levava para todo lugar. Ele possuía lugar de honra na mesa de refeição, na do escritório e até na mesinha ao lado da cama. O problema era arrumar um lugar para ele no banheiro, se entrava no chuveiro o colocava no assento sanitário, mesmo achando o lugar inadequado, mas quando ela estava usando o assento era o maior problema, se o colocava no chão receava que molhasse ou que distraída pisasse nele. Resolveu que o melhor lugar seria na pia, na parte mais larga dela, cuidava de secá-La e punha seu celular lá. Assim foi por vários dias até que um dia ele tocou. Tocou não! Começou a vibrar e tocar e pulava feito um doido, parecia que tinha adquirido vida própria e saltava mais que criança pisando em areia quente, demorou um pouco para ter condições de levantar-se. Conseguiu evitar o desastre e segura-lo a tempo. Só não conseguiu segurar o mau-humor. Decidida aposentou o celular.


PS Sinto ter perdido os comentários dos amigos que passaram por aqui ontem. Penso que depois desses dois dias, os transtornos da minha personagem ficaram por demais simples. A Blogger ganhou de longe e essa modernidade pega a todos até os modernos. .

28 comentários:

José Doutel Coroado disse...

Cara Angela,
ao ler seu texto fiquei imaginando uma curta sobre ele. Iria, certamente, ser um hit no Youtube. Gostei!!
abs

Lis disse...

Oi Angela
Até que ela era bem moderninha.
Pena que desistiu porque a maioria nem faz tentativas rs
É bem verdade que essas geringonzas modernas complicam mais do que ajudam rsrs
Muitos micos ainda vamos presenciar com tantas modernices surgindo!
Adorei a crônica.
abraços

Daniel Costa disse...

Angela

A cónica ainda servirá neste tempo, sendo que é interessante.
A personagem ainda mal terá reparado, que devemos procurar ser modernos, ainda que se tenha nascido antes de meados do século passado.
rsrsrsrs.
Beijos

✿ chica disse...

rsssssssssssss...me vi em um monte desses micos e situações... Nunca imaginei as moderndades fazerem parte tão vibrante no meu dia a dia e ...aíestamos.srrs LINDA CRÔNICA! beijo,chica

Elcio Tuiribepi disse...

Eu também me vi por aqui...bom disso é poder rir já de manhãzinha...rs
Um conto de primeira amiga, no ponto certo que exige o humor refinado, muito bom
Obrigado pelas palavras lá no Verseiro...tem tanta coisa errada nesse país...hospitais então...mas é isso, uma ótima quinta pra você
Um abraço na alma
Beijo

Lau Milesi disse...

No que ela fez muito bem, não é Angela? Ô aparelhinho mais incoveniente. O paradoxo fica na extrema necessidade que temos dele hoje em dia.
Estou aqui abrindo aquele sorriso ao imaginar esse "treco" adquirindo vida própria.Hilária a cena.A da foto do pé foi genial.
Angela, pelo menos seu personagem não tinha distúrbio de atenção e nunca tentou (falando ao celular) subir a escada rolante pelo lado contrário. :) Conheço alguém que protagonizou essa cena. :)
Adorei esse seu lado cômico. Parabéns !!! Beijossss

Anne Lieri disse...

Angela,um texto cheio de imagens realmente!Muito ativo!Tb demorei a usar celular e até hoje tenho um bem simples,que nem tira foto,só pra ligar em caso de emergencia mesmo!...rsss...Muito legal e a pura realidade neste belo texto!Bjs,

Samaryna disse...

Angela, só eu sei o qto sofri para acostumat com o celular. Deixo o meu afeto.

Anne Lieri disse...

Angela,esse blogger levou meu porquinho tb...rsss...tão fofo!Posto de novo depois!...rss...Adorei seu texto!Um conto que fala como é dificil adaptar-se as tecnologias,mas sua personagem acabou até exagerando com o celular!...rss...Adoro como escreve!Bjs e bom final de semana!

Marilu disse...

Querida amiga, belo texto adorei. Tenha um lindo final de semana. Beijocas

Lis disse...

Oi Angela
Pegou a todos de surpresa , também perdi o post inteiro e parte dos comentários do dia anterior.
Nada importa quando descobrimos quanto é interessante, veloz , cumplice, a amizade que chamamos de virtual e se manifesta de todas as formas.
Claro que chegaria a voce , de novo ,por outros caminhos .
Essa modernidade que nos frusta num dia no outro abre mil leques.
abraços
outros e outros abraços, sempre.

Lau Milesi disse...

Poxa, que pecado"raptarem" nossos comentários, não é Angela?? O meu prejuízo não ficou por aí: levaram, além dos comentários, o meu último post.

Eu dizia no comentário raptado que seu personagem tinha razão em aposentar o celular. Um aparelhinho tão incoveniente em certos momentos... O paradoxo fica pela necessidade que temos hoje em dia do "incoveniente", não é Angela? Adorei a cena em que "ele" adquire vida própria. Já a cena da escada rolante... hummm... já vi/ protagonizei esse filme. {rsrs]
Beijos e parabéns!!!

Sonia Pallone disse...

Fico totalmente encantada quando te leio, Angela. Linda e bem humorada crônica, com certeza, muitos se identificariam. Bjs minha querida, bom final de semana.

✿ chica disse...

Foi mesmo um cáos ontem por aqui.

Eu tinha comentado já aqui mas vale voltar e deixar um carinho sempre por aqui!

beijos,chica e lindo ,tranquilo fds!

Samaryna disse...

Angela, eu faço parte deste time que não se acostuma com a modernidade, e como a memoria não ajuda muito, lembro de ter lido teu texto, mas será que comentei?... rssssssssss. Deixo o meu afeto.

ONG ALERTA disse...

Náo depende na gente...aconteceu este caos no blog e ficamos deseperados, beijo Lisette.

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

Esta história,
parece inspirada
na vida de muitos.

Que as estrelas
sempre brilhem em teu olhar.

Aili disse...

Sabe o que parece pra mim, é cada vez mais a gente se prende em situações que nos distanciam das coisas simples. A tal modernidade...A falta de tempo...

Sempre fico encantada com que leio aqui!

JGCosta disse...

Como a amiga realçou com maestria, até os mais moderninhos algumas vezes caem do cavalo, como aconteceu conosco no Blogger!

Creio que hoje em dia é assim mesmo: ou a gente se adequa às novidades ou se isola! Consequencias desses nossos tempos modernos!

Abraços renovados!

Pepi disse...

Custei me acostumar com o PC, Angela
Agora estou viciada...rsrs
Tenha uma linda semana
Beijinhos de
Verena e Bichinhos

Daniel Savio disse...

- Tempos Modernos.
Todos nós temos as nossa dificuldade, mas não podemos deixar que estas mesmas dificuldade nos trave para o mundo.

É claro que com a devida consideração de não nos deixar dominar.

E obrigado por sempre aparecer no meu blog, obrigado mesmo.

- Para Rafaela

Homenagem bonita a uma amiga querida (imagino eu)...

- Semelhanças

Mas aqueles que realmente fazem falta, é melhor não deixar cria tanta saudades...

- Marquei!

As vezes nos distrairmos, mas será que você não viu o que realmente valia viver aquele momento...

- Simples assim!

Bonita a poesia sobre a estrelas, mas eu diria que são eternas, pois algumas que vemos nem existem mais...

E espero que tua pascoa tenha sido boa.

- Pequeno ensaio sobre a mentira.

Realmente nos perdemos por tão pouco (como mentir coisa absurdas)...

- Já era

É ruim quando os nosso amigos tem tantos "não me toques"... Acabei pensando nisto.

Fique com Deus, menina Angela.
Um abraço.

Ana Claudia Marinho disse...

Angela, sabe o que é legal nesse texto... me identifiquei com ele. Bem divertido lê um texto com referências tão presentes e real. Bom demais. Fui...

Sandra Botelho disse...

Esss modernindades não são muito confiáveis neh amiga.
O blogger apagou quase todas as minhas fotos. Acho que ficaram com medaaaaaaaaaaaa.Beijos achocolatados

Essência e Palavras disse...

Não sei se aconteceu alguma coisa no meu blog, nao vi. Enfim...
Saudades de ti, amiga!
beejo!

angela disse...

Elcio Tuiribepi para mim
mostrar detalhes 12 mai (5 dias atrás)
Elcio Tuiribepi deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Tempos Modernos.":

Eu também me vi por aqui...bom disso é poder rir já de manhãzinha...rs
Um conto de primeira amiga, no ponto certo que exige o humor refinado, muito bom
Obrigado pelas palavras lá no Verseiro...tem tanta coisa errada nesse país...hospitais então...mas é isso, uma ótima quinta pra você
Um abraço na alma
Beijo

Lau Milesi deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Tempos Modernos.":

No que ela fez muito bem, não é Angela? Ô aparelhinho mais incoveniente. O paradoxo fica na extrema necessidade que temos dele hoje em dia.
Estou aqui abrindo aquele sorriso ao imaginar esse "treco" adquirindo vida própria.Hilária a cena.A da foto do pé foi genial.
Angela, pelo menos seu personagem não tinha distúrbio de atenção e nunca tentou (falando ao celular) subir a escada rolante pelo lado contrário. :) Conheço alguém que protagonizou essa cena. :)
Adorei esse seu lado cômico. Parabéns !!! Beijossss

Rejane deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Tempos Modernos.":

rsssssssssssss...me vi em um monte desses micos e situações... Nunca imaginei as moderndades fazerem parte tão vibrante no meu dia a dia e ...aíestamos.srrs LINDA CRÔNICA! beijo,chica

Daniel deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Tempos Modernos.":

Angela

A cónica ainda servirá neste tempo, sendo que é interessante.
A personagem ainda mal terá reparado, que devemos procurar ser modernos, ainda que se tenha nascido antes de meados do século passado.
rsrsrsrs.
Beijos

Lis deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Tempos Modernos.":

Oi Angela
Até que ela era bem moderninha.
Pena que desistiu porque a maioria nem faz tentativas rs
É bem verdade que essas geringonzas modernas complicam mais do que ajudam rsrs
Muitos micos ainda vamos presenciar com tantas modernices surgindo!
Adorei a crônica.
abraços



Cara Angela,
ao ler seu texto fiquei imaginando uma curta sobre ele. Iria, certamente, ser um hit no Youtube. Gostei!!
abs

Samaryna deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Tempos Modernos.":

Angela, só eu sei o qto sofri para acostumat com o celular. Deixo o meu afeto.

Anne Lieri disse...

Angela,passei para reler seu conto que lembra um pouco o estilo de Clarice Lispector em Felicidade Clandestina .Apesar das velhinhas serem diferentes tem alguma analogia!Obrigada pela sua visita,amiga!Bjs,

Anne Lieri disse...

Angela,passei para reler seu conto que lembra um pouco o estilo de Clarice Lispector em Felicidade Clandestina .Apesar das velhinhas serem diferentes tem alguma analogia!Obrigada pela sua visita,amiga!Bjs,

orvalho do ceu disse...

Olá, querida
Tem dia que nem olho pro celelular pra descansar do barulho... estou numa fase que, mesmo sabendo mexer relativamente bem em tudo... to preferindo ficar light... relaxar... caminhar...
Mas, viva a modernidade que nos aproxima das pessoas, claro!!!
Bjs de paz e ótima semana.