sábado, 26 de março de 2011

Palavras que nunca direi



Sou relva

onde pisa

esparramo flores

selvagens

suave perfumo


Sou água de riacho

quando roço sua pele

canto

borbulho

mole

morna


Tenho o ar do mundo

no peito

quando penso

seu nome

Subo como balão

pleno de sonhos

deito na lua

aninho-me


Ela sendo seus braços

eu onda partícula

luz

“quantum de alegria”


sexta-feira, 25 de março de 2011

Um convite e uma explicação

I

Eunice Arruda, autora de 13 livros de poesia publicados, ministra oficinas de criação poética desde 1984. Premiada no concurso de poesia Pablo Neruda em 1974.
Estará neste sábado dia 26 no Rio de Janeiro.



II

“Quem fica parado é poste”, é assim que nos chacoalhávamos uns aos outros quando crianças, mas a frase não é de todo verdade. Fica parado o computador o provedor. Nós ficamos em movimento errático, anarmônico, circular, randômico, tentando que inutilmente que os técnicos se movimentem e não adianta gritar –. “Quem fica parado é poste” porque estamos brincando sozinhos.

Finalmente, após idas e vindas conserta num dia quebra no outro, parece que tudo funciona bem.

Completando, mudei de casa e sabem o que é isso...

Logo visito todos.


quarta-feira, 9 de março de 2011

Equilibrista


Você tirou
Minha casca
Minhas garras

Difícil seguir
indefesa
com este coração
no peito
pulsando passo
e descompasso
num ritmo
que me põe a
tremer

Trôpega
danço desajeitada

Balanço

Estou nas estrelas
e no chão