domingo, 30 de dezembro de 2012


 Mais um poema  de Eunice para brindar os que aqui permanecem.

Um feliz 2013!


31 de Dezembro


 
De repente o céu
Explode em fogos
luzes relâmpagos
 
Champanhes
espumas
taças
comprimindo os lábios
 
Ardente
o céu explode
de repente
sacode
a terra é lenta
gira redonda trêmula
me abrigo em casas
fortalezas
em parentes me equilibro em
redundâncias
 
Ergo a taça. Dezembro
31. Existimos
então
 
ou
fomos já ceifados de alguma colheita



Eunice Arruda

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012


Aos amigos deixo aqui o belo poema de Eunice e junto meu desejo de um feliz Natal para todos.


MENSAGEM
É
Natal
novamente
onde estamos
e onde não estamos

Nas ruas
nas noites enfeitadas
o Natal chega
passo a passo
em cada dia de dezembro
E não há como fugir
já não há onde esconder
o encontro é inevitável
Há que se aproximar então
o coração aberto
o afeto dilatado
Deixar
se desprender de nós
fardos desnecessários
forjados impedimentos
e aceitar
Aceitar esta carga - condição de ser humano

 
É Natal
Há que se respirar
com novo fôlego
um outro ar
aqui
onde estamos
e onde jamais estaremos
o Natal nos transporta
como um barco incansável


É preciso deixar
esta água
fluir
é preciso aceitar
o mistério das fontes

Não podemos deixar morrer nenhum nascimento
                                                                
  Eunice Arruda